terça-feira, 17 de março de 2009

Vida longa à livre distribuição!

Caramba, como é que pode? Não sei quantos anos de serviços prestados à comunidade orkuteira que acabaram por pressão de empresas fonográficas, videográficas, n-gráficas que lucram em cima do copyright, da idiotice e do antiquadismo ideológico. Acabaram com a comunidade "Discografias" domingo último; ou melhor, os moderadores acharam por bem adiantar o serviço da galera adepta dos direitos autorais pré-cambrianos (isto é, que defendem que devemos necessariamente pagar por um produto intelectual, por sua difusão, citação e assim por diante).

A comunidade era boa: bem moderada, sem spams, um foco crescente de colaboração virtual, já que os membros podiam solicitar os artistas de seu agrado, caso ainda não estivessem disponíveis para download. MPB, música eletrônica, rock, samba, pagode, swingueira (xi, bom parar com a listagem)... Mas o sucesso atraiu também o olho gordo de gente que só pensa em merda, ao pensar que a distribuição de músicas em mp3 - sem contar os vídeos e livros circulando por aí, embora em menor quantidade - lhes traz prejuízo; isto é, querem continuar suas atividades normalmente, sem mudar seus paradigmas conceituais.

Mas deixemos de filosofia e perguntemos: de que adianta atingir um foco isolado, se bem que grande, enquanto o resto da situação permanece? A Internet é o maior rizoma (data venia a Deleuze) já criado pelo engenho humano, o que significa uma flexibilidade sem precedentes na difusão de informação. Ora, um centro de informação destruído não atrapalha o resto do fluxo informacional, uma vez que, em tese, circulam cópias de cópias de cópias de cópias de cópias de... Em outras palavras, acabar com uma Discografias da vida não nos interromperá de achar alternativas. Depois de Henry David Thoreau e Richard Stallman, só o que pode interromper a escalada da livre distribuição é a aniquilação da raça humana!

P.S. (adicionado em 20 de março deste ano): ainda bem que não deram o braço a torcer! http://www.orkut.com.br/Main#Community.aspx?cmm=56139232

4 comentários:

Lu Rosário disse...

Achei um absurdo o que fizeram.. como se isso fosse adiantar algo, o fluxo de informações continua e um controle disso é impossivel. A intenet é um local aberto que engloba o acesso de milhões de pessoas.

E uma coisa a falar!

QUE SAUDADES deste molecão!!!!

Lázaro, como vc sumiu? Como vc ta rapaz?! Gosto de tu, viu!

Beijão!!!

Mayara Nogueira disse...

Não estava sabendo dessa. Uma pena. A internet é um dos meios (se não o mais) mais democráticos de acesso à cultura, como música e literatura. Triste saber.

Ana disse...

Incrível esse arcadismo das grandes corporações do copyright.
De que adianta uma boa informação presa nas grades da ignorância? De que vale uma ótima música se ouvida por apenas aqueles que têm vil metal para consumí-la? Qual a utilidade de livros privatizados?
Belíssimo o teu texto-protesto. Estou de pleno acordo.

Ah, clique aqui:
http://www.orkut.com.br/Main#Community.aspx?cmm=16904669 - também é uma boa alternativa para a Discografias.

bêjo.

De repente, Pagu! disse...

Lázaro, penso que voce pode escrever mais textos sobre esse assunto. Pode por exemplo falar das dificuldades a certas camadas de ter acesso a boas coisas. Falar da problematica da "pirataria", criticar o estilo mpb, que de popular nao tem nada!!! Quando eu tiver mais idéias, te mando. Beijão e ótimo texto

Baú de traças